sexta-feira, 23 de abril de 2010

Resenha feita a duas mãos do livro Mulheres que Correm com os Lobos

Lua & Nora
MULHERES Q CORREM C LOBOS - Clarissa Pinkola Estés

Gente...hoje venho aqui mostrar p vocês um trabalho, feita em duas mãos...Eu e Nora juntas, nos embrenhamos nesse experimento, e eu confesso q adorei....espero q esse seja o primeiro dos muitos que virão. Lembrando...Nora vive e ama a natureza...as flores e eu só admiro as de plástico..ahahaha O q faz dessa nossa diversidade, nosso maior desafio. Nossas falas vão se misturando a medida dos parágrafos, mas tornando-se uma única fala. Achei lindooooo!!!! Espero q gostem...Segundo essa americana psicóloga fantástica, a mulher vem sendo domesticada há milénios. Ela tenta, usando vários caminhos e milhões de argumentos, encontrar a verdadeira essência da alma feminina. E olha que é difícil eh?O livro é um apanhado de mitos e tradições relativos às mulheres, onde a autora analisa de forma microscópica o universo feminino, sobre o ponto de vista da psicologia, do emocional, espiritual ecomo todo esse fantástico universo feminino, foi esquecido pela própria mulher, revestida da modernidade, educação e domesticação para servir. Não podemos deixar de sentir uma fala feminista nessas colocações da autora. Equipara deliciosamente pelos milénios, a alma feminina ao lobo...com sua coragem, sua natureza selvagem, sensível, intuitivo, orgulhoso, dados a uma percepção aguçada, numa determinação feroz. A comparação com lobos, foi a arma literária da autora, p descrever o lado selvagem e livre da mulher, por ter sua mente aguçada e intuitiva, enterrada por séculos e séculos pela sociedade, em repressões, limitações e violência. Motivo pelo qual, muitas tiveram seu fim nas fogueiras da Inquisição, acusadas de bruxaria. A autora compara a mulher ao lobo, q corre livre pelas savanas e prados, com seu instinto de sobrevivência, e toda intuição que guia uma fêmea, no ato de proteger e cuidar de suas crias e parceiros. Mas com a racionalidade de renúncia feroz, no momento que os vê preparados p a vida independente. Respeitando assim, a liberdade de quem ama.
Para analisar o lado instintivo e intuitivo da mulher, falar da maternidade perfeita e de c é necessário q se desprenda desse colo, cortando de vez o cordão umbilical p seguir, La Loba, a mulher q sabe e vive dentro de nós, aquela selvagem que se perde contato por conveniência...é exigida, surgindo para nos salvar até de nós mesma.Reflete de forma ímpar sobre a raiva feminina, tentando com argumentos bem pertinentes, nos envolver em sua teoria de q a raiva tem sua utilidade se não for reprimida, e for administrada c o bom senso do perdão. Termina seu raciocínio, concordando q o perdão não é tão simples, é trabalhoso e requer muita paciência e obstinação. E normalmente não o conseguimos na sua totalidade, por ser humanamente impossível e sobrenatural p o humano, exceto Ghandi. ahaha (aparte meuuu) Bem...em outras palavras...dar a cara para bater de novo. Perdão como cura. Será?Além desse mergulho profundo na verdadeira essência feminina, a autora nos brinda com um circular nos contos de fadas e mitos. Usando e abusando dos mitos, como O Barba Azul, A Bela Adormecida, contada de maneira diferente pelo antigo povo da Romênia. Um livro pra ler, reler, treler e manter ao alcance de nossos olhos e ouvidos, pois é uma obra que canta e conta histórias...a nossa história e a de todas as mulheres do mundo. Lindo!!!E p terminar essa resenha em parceria c minha querida, doce e pacifica Nora...um trecho q acredito q envolva nossas essências latentes...numa só fala. “O deserto é um lugar em q a vida se apresenta muito condensada. As raízes das plantas se agarram à última gota d'água, e as flores armazenam umidade abrindo apenas de manhã cedo e ao final da tarde. A vida no deserto é pequena, porém brilhante, e quase tudo o q acontece tem lugar no subsolo. Essa descrição é semelhante à vida de muitas mulheres. Muitas de nós vivem vidas desérticas: ínfimas na superfície e imensas por baixo.” (Clarissa Pinkola Estes In: Mulheres que correm com os lobos) Beijos e valeuuuuu por esses momentos de prazer, Nora querida!!!

Um comentário:

Moon disse...

Mãeeee...tô na Internet.

bjs